música

52 álbuns em 52 semanas #2 Mês de Janeiro

sábado, fevereiro 18, 2017

Olá queridos! Como vocês estão? Espero que estejam tendo um ótimo dia! 
Hoje eu vim aqui pra atualizar vocês sobre o desafio 52 álbuns em 52 semanas, que já expliquei antes aqui no blog. Ouvi várias músicas legais no mês de janeiro e agora vou compartilhar com vocês! 


Depois de ouvir repetidas vezes o novo álbum da White Lies, que foi o primeiro álbum do ano e do desafio, eu fui conferir algumas sugestões de artistas que deixaram lá nos comentários do último post. Como prometido, vou linkar aqui as recomendações:

Ranniery Dias: Sabrepulse - Turbo City
Maiara: Dandis - Dandis
Jade Amorim:  Beneath the Skin - Of Monsters and Men | My Type - Saint Motel | Desconocidos - Quarto Negro
Joyce Souza: Glory - Britney Spears | Prism - Katy Perry

Quer aparecer aqui também? Me recomenda álbuns nos comentários!

Agora vamos conferir 3 álbuns que ouvi nas semanas seguintes de janeiro!








Título: Era Domingo
Artista: Zeca Baleiro
Lançamento: 2016
Gênero: MPB, pop
Gravadora: Som Livre
Produtores: Marcelo Lobo, Haroldo Ferreti, Henrique, Tuco Marcondes, entre outros. 

Desde criança eu sou fã do trabalho do Zeca Baleiro. Um dos meus artistas brasileiros favoritos, no ano passado ele lançou esse novo disco e eu ainda não tinha tido a chance de conferir. Na minha viagem de férias pra praia, baixei o Era Domingo e fui ouvindo no caminho. Preciso dizer; foi a melhor escolha! As músicas do álbum estão num clima bem verão, ótimo pra uma road trip. Sem dúvida a melhor canção é a que dá nome à obra, que vocês podem conferir aí embaixo.



Título: The Divine Feminine
Artista: Mac Miller
Lançamento: 16 de setembro de 2016
Gênero: Hip Hop alternativo, Neo Soul, Jazz
Gravadora: Warner Bros, Records
Produtores:


  • Aja Grant | 
  • Dâm-Funk | 
  • DJ Dahi | 
  • Frank Dukes | 
  • Garcia Bros | 
  • Gitty | 
  • ID Labs| 
  • JMSN | 
  • Music ManTy | 
  • MisterNeek| 
  • Pomo | 
  • Sunni Colon | 
  • Tae Beast |  
  • Vinylz

  • Esse álbum é uma recomendação frequente de uma das minhas youtubers favoritas do momento, a Meghan Hughes. Como confio bastante no gosto musical dela, fui lá conhecer o Mac Miller e simplesmente amei. Gente, esse álbum é incrível, ouço praticamente todo dia no caminho pra faculdade. É uma mistura incrível de gêneros musicais e conta com a participação de artistas já consagrados, como a Ariana Grande e o Kendrick Lamar. Minha música favorita é Stay, que vivo cantando por aí, haha








  • Título: Beneath the Skin 
    Artista: Of Monster and Men


  • Lançamento: 8 de junho de 2015
  • Gênero: Indie Folk, Indie Pop
  • Gravadora: Republic Records
  • Produtor: Rich Costey

  • Por último, quis conferir uma das recomendações dos leitores, e acabei escolhendo ouvir o álbum Beneath the Skin, de uma banda que eu já tinha ouvido falar mas nunca tinha ouvido: Of Monster and Men. Eu gostei bastante do álbum, que combina muito com um fim de tarde chuvoso, café e livros... coisas que amo! <3 Curti muito a música Human, que é bem legal e gostosinha de ouvir. 


  • Bom pessoal, é isso! Espero que tenham curtido os álbuns que ouvi em janeiro e saibam que já estou ansiosa pra contar os de fevereiro no mês que vem! Não esqueçam de me recomendar álbuns novos nos comentários, vou adorar ouvir tudo <3 

  • xoxo

  • reflexão

    Vida Sustentável: o quanto você desperdiça?

    quarta-feira, fevereiro 08, 2017

    Nessa semana li um post super importante e interessante sobre a temática do desperdício de alimentos. Lá foram explicados números e estatísticas acerca desse problema, além do contraste com relação à escassez de alimentos em alguns países. 
    Eu tenho certeza que você já leu sobre isso também. Conhece a dimensão do problema e até acha um absurdo. Mas você já parou pra pensar no quanto VOCÊ desperdiça? 


    Eu parei pra pensar. Mas só depois de já ouvir muito sobre o problema. Depois de pensar nas sobras do almoço que eu jogava fora. Nas bordas do pão de forma. Nos dois dedinhos de suco jogados na pia. Comecei a pensar sobre isso depois de ler sobre um estilo de vida que já falei aqui no blog antes: zero lixo. Algo ainda um pouco utópico pra mim, porém extremamente inspirador.
    Alguns blogs como o Trash is for Tossers e o Um ano sem lixo já falam sobre isso a anos e me fizeram refletir sobre o modo como eu estava vivendo; e o impacto disso. E aí, depois de mudar certos hábitos, resolvi trazer a discussão aqui pro blog.

    • Qual o problema do desperdício? 

    Você pode até não ter empatia pelo problema da fome e desigualdade no mundo, mas saiba que o desperdício é algo que também prejudica você. Vamos lá entender o processo...
    Primeiro, entenda que a ideia de lixeira é uma ilusão. Não se joga nada fora. Não existe "fora". Tudo que vai pra lixeira continua na Terra. As vezes, inclusive, num lixão bem perto de você. Ou num rio ou canal. E a verdade é que o lixo não faz bem para o nosso planeta. Fragiliza ele, fragiliza o solo, o ar... E isso diminui a sua qualidade de vida.


    A comida não é infinita. Eu sei, toda semana você vai ao supermercado e ele está lá, repleto de coisas. Porém, ter espaço para produção alimentícia é cada vez mais difícil. A população só cresce. O consumo só aumenta. E cada vez a natureza é mais degradada. E por natureza, entenda o seu lar.

    • Como diminuir o desperdício? 

    Saindo desse contexto macro e partindo para o seu dia a dia de consumo, queria dar algumas dicas que procurei incorporar na minha vida para desperdiçar menos.

    1. Observe o quanto você come

    Acredito que a primeira coisa a fazer se você quer diminuir o desperdício de alimentos é perceber o quanto você come. Colocou seu almoço no prato? Quantas colheres de arroz você aguenta comer? E a porção de carne? Observe tudo e na próxima refeição, coloque no prato somente o que sabe que aguenta comer - e daí coma tudo. 

    2. Compre apenas o que você vai consumir 

    Depois de descobrir o quanto você come, vai ficar mais fácil também entender sobre a quantidade de alimentos que você precisa comprar. Se você consome 1 tomate por dia, não precisa comprar 10 para uma semana - ou aquilo vai apodrecer e você estará desperdiçando alimento.

    3. Aproveite tudo

    Ultimamente estou muito na vibe de usar tudo que os alimentos oferecem. Faço suco de casca de abacaxi, uso borra de café para esfoliar o rosto, casca de ovo para adubar as plantas... Isso reduz ainda mais o desperdício e pra mim traz uma sensação muito boa de conexão com a natureza.

    • Quais os benefícios de tudo isso? 

    Além dos benefícios para a natureza e para sua qualidade de vida, ainda há um benefício maravilhoso que é a economia. Desperdiçar menos vai te fazer consumir menos e consequentemente, gastar menos. E quem não gosta de ter dinheiro sobrando no fim do mês? Acho que nem preciso falar mais nada ^^

    Bem pessoal, é isso!
    Me contem nos comentários suas opiniões e considerações para próximos posts sobre o tema (devo continuar?)

    xoxo

    literatura

    Wishlist + desafio literário

    segunda-feira, janeiro 30, 2017

    São muitos os livros que quero ler em 2017: alguns já estão na minha prateleira, outros são lançamentos e outros, clássicos da literatura. Chega fico sem saber por onde começar! O primeiro que adquiri nesse ano foi O ano em que disse sim, da Shonda Rhimes, que já estou terminando e em breve resenharei aqui no blog. Junto com ele recebi um marcador da Livraria Cultura com um desafio literário, e como sou louca por desafios, resolvi que tentaria completar nesse ano.


    O desafio forma um total de 8 livros, o que eu acho uma quantidade tranquila e que vai possibilitar que eu continue realizando outras leituras paralelas. Estão curiosos para ver os livros que pretendo ler? Então se prepara pra a listinha! 


           1. Um livro ganhador do Premio Pulitzer  O Pintassilgo, de Donna Tartt

    Esse livro me chamou atenção primeiro pelo nome, segundo pela capa e terceiro por ser uma obra premiada. Sinopse: Theo Decker, um nova-iorquino de treze anos, sobrevive milagrosamente a um acidente que mata sua mãe. Abandonado pelo pai, Theo é levado pela família de um amigo rico. Desnorteado em seu novo e estranho apartamento na Park Avenue, perseguido por colegas de escola com quem não consegue se comunicar e, acima de tudo, atormentado pela ausência da mãe, Theo se apega a uma importante lembrança dela - uma pequena, misteriosa e cativante pintura que acabará por arrastá-lo ao submundo da arte.
    Já adulto, Theo circula com desenvoltura entre os salões nobres e o empoeirado labirinto da loja de antiguidades onde trabalha. Apaixonado e em transe, ele será lançado ao centro de uma perigosa conspiração. 'O pintassilgo' é uma hipnotizante história de perda, obsessão e sobrevivência, um triunfo da prosa contemporânea que explora com rara sensibilidade as cruéis maquinações do destino.

    2. Um livro com mais de 500 páginas Crime e Castigo, de Fiodor Dostoiévski

    Já li uma obra do Dostoiévski antes, mas ao contrário dessa, ela era bem curtinha. Vai ser um desafio uma leitura tão longa e de um escritor tão denso, mas já estou ansiosa pra ler :) Sinopse: Neste livro, Raskólnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petersburgo até cometer um crime que tentará justificar por uma teoria - grandes homens, como César ou Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História.

    3. Um livro de um escritor latino-americano Respiração Artificial, de Ricardo Piglia

    Nessa categoria, não quis escolher um livro que fosse brasileiro, pois seria muito fácil. Ao invés disso, escolhi uma leitura que se entrelaça com a história da Argentina, coisa que sempre quis conhecer. Sinopse: Piglia constrói neste livro uma trama em que várias histórias e tempos se cruzam, com o objetivo de camuflar o que o livro realiza - a exposição do arbítrio e da violência. 'Respiração Artificial' gira em torno dos 'papéis de Ossorio' - um conjunto de cartas guardadas entre os segredos de uma família poderosa. Regidos pela figura central do narrador Emilio Renzi - o desvendador da história do país -, as personagens desse livro conversam uns com os outros, inclusive em diferentes tempos de ação, utilizando pontes como cartas, jornais, literatura e filosofia.

           4. Um livro que foi proibido ao ser lançado  Admirável mundo novo, de Aldous Huxley

    Esse livro eu sempre quis ler, já que é uma distopia moderna que entrou para as obras consagradas da literatura contemporânea. Por ser uma obra bem crítica e que trata de temas polêmicos, já chegou a ser proibida em alguns países.  Sinopse: Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance distópico de Aldous Huxley, que ao lado de 1984, de George Orwell, constituem os exemplos mais marcantes, na esfera literária, da tematização de estados autoritários. Se o livro de Orwell criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, em que a racionalidade se tornou a nova religião, em que a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários. Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos.



           5. Um livro escrito antes de 1900  Hamlet, de William Shakespeare

    Eu nunca li nada do Shakespeare, acredita? Só A Megera Domada, que não é confirmado ter sido escrito por ele. Nessa escolha de livros antes de 1900, resolvi ir lá atrás nos séculos e selecionar Hamlet para ser lido esse ano. Sinopse: Um jovem príncipe se reúne com o fantasma de seu pai, que alega que seu próprio irmão, agora casado com sua viúva, o assassinou. O príncipe cria um plano para testar a veracidade de tal acusação, forjando uma brutal loucura para traçar sua vingança. Mas sua aparente insanidade logo começa a causar estragos - para culpados e inocentes. Esta é a sinopse da tragédia de Shakespeare, agora em nova e fluente tradução de Lawrence Flores Pereira.

    6. Um livro que virou musical Memórias de um Gigolô, de Marcos Rey

    Ok, admito que essa foi a categoria mais complicada pra mim. Após algumas pesquisas, escolhi Memórias de um Gigolô, obra brasileira que além de já ter sido musical, já virou também minissérie. Sinopse: O romance é ambientado em São Paulo nos anos 1930 e gira em torno de um triângulo amoroso formado por Mariano, a prostituta Guadalupe e o cafetão Esmeraldo. Mariano foi criado por Antonieta, uma cartomante de um prostíbulo de luxo de São Paulo, e ainda menino aprende com ela a ler a sorte em um velho baralho. Quando sua protetora morre, o rapaz é adotado por Iara, uma das clientes da cartomante, que o leva para morar com ela e suas 'sobrinhas' em seu bordel de luxo, frequentado por figurões. Não demora muito e as meninas ficam maravilhadas com a capacidade que Mariano tem de escrever cartas. De repente, eis que o jovem torna-se o 'redator de bordéis', sua primeira profissão, que lhe proporciona uma boa renda. Então chega uma nova hóspede na casa, Guadalupe, por quem ele se apaixona imediatamente. Com essa paixão, inicia-se sua tumultuada carreira de gigolô.

    7. Um livro lançado no ano em que você nasceu Memórias de uma gueixa, de Arthur Golden

    Esse clássico eu sempre quis ler, mas não sabia que tinha sido lançado em 1997 até procurar por livros desse ano. Fiquei mais interessada ainda na leitura! Sinopse: Olhos cinza-azulados. Muita água em sua personalidade, é o que diz a tradição japonesa. A água que sempre encontra fendas onde se infiltrar, cujo destino não pode ser detido. Assim é Sayuri, uma das gueixas mais famosas de Gion, o principal distrito dessa arte milenar em Kioto. Com um olhar, ela é capaz de seduzir. Com uma dança, ela deixa os homens a seus pés. O que ninguém sabe é que, por trás da gueixa de sucesso, há um passado de perdas e desilusões de uma mulher que, desde o dia em que o pai a vendeu como escrava, fez cada uma de suas escolhas motivada pelo amor ao único homem que lhe estendeu a mão. Neste livro acompanhamos sua transformação enquanto ela deixa para trás a infância no vilarejo pobre e aprende a rigorosa arte de ser uma gueixa- dança e música, quimonos e maquiagens; como servir o chá de modo a revelar apenas um vislumbre da parte interna do pulso; como sobreviver num mundo onde o que conta são as aparências, onde a virgindade de uma menina é leiloada, onde o amor é considerado uma ilusão. Já idosa, vivendo nos Estados Unidos, ela narra suas memórias com a sabedoria de quem teve uma vida longa e o lirismo de quem soube encontrar nela seu lado mais doce. Neste relato único, que reúne romance, erotismo e, muitas vezes, a dura realidade, Arthur Golden desenvolve uma escrita refinada e dá voz a uma personagem instigante e humana que conquistou milhões de leitores em todo o mundo.

    8. Um livro em que o título contém o nome do protagonista Pollyanna, de Eleanor H. Porter

    Esse livro na verdade eu já li, mas foi um exemplar emprestado quando eu era criança, por isso nem lembro bem. Sei que é um livro que muda a direção das nossas vidas e acho que vale a pena comprar e ler de novo. Sinopse: 'Pollyanna' é uma história sobre o amor, a amizade e, sobretudo, sobre o surpreendente poder de transformação que os jovens e as crianças podem ter, sem se dar conta. Uma otimista incurável, Pollyanna não aceita desculpas para a infelicidade e empenha-se de corpo e alma em ensinar às pessoas o caminho de superar a tristeza e a vida negativa.

    É isso pessoal!
    Quem aí também ficou afim de participar do desafio?
    Acompanhem o blog para saber se conseguirei ler tudo até o final do ano!
    xoxo

    Parceiro