Resenha: Fahrenheit 451 (Ray Bradbury)

quarta-feira, janeiro 09, 2019

Nos últimos tempos, as distopias tem ocupado um espaço especial na minha estante. Não comecei pelas mais tradicionais: Jogos Vorazes foi a minha obra introdutória neste universo. Porém, logo depois eu embarquei em 1984, do George Orwell, e alguns anos mais tarde li Admirável Mundo Novo, do Aldous Huxley (que admito não ter sido uma leitura muito agradável para mim). No ano passado, recebi de presente de uma amiga essa edição de Fahrenheit 451, que ficou descansando na prateleira até que vi que o clube do livro Infinistante, do qual participo, escolheu essa obra para o mês de janeiro! Fiquei super feliz com a escolha, afinal adoro quando clubes e desafios literários combinam com as minhas metas de leitura. 

fahrenheit

Me encantei com a história ainda no prefácio, escrito pelo Manuel da Costa Pinto. Ele fez uma ótima explanação acerca dos universos distópicos, comparando a obra inclusive com outras distopias que eu citei acima. Porém, não recomendo que leiam o prefácio antes do livro, pois ele contém spoilers! Sério, fiquei abismada com isso. Mas não foi nada que tenha estragado a minha experiência de leitura, então tá perdoado.


Essa distopia se passa em uma época onde os livros são proibidos. Qualquer livro encontrado na cidade é exterminado pelos bombeiros, que deixaram de ser responsáveis por apagar incêndios e agora exercem a função de destruir toda e qualquer obra literária com fogo. Essa nova sociedade vive então em completa alienação: rodeados por telas do tamanho de suas paredes, as pessoas passam o dia acompanhando uma programação interativa na TV. Eles consideram os personagens suas famílias, e vivem com o único objetivo de se sentirem relaxados, recorrendo até mesmo a medicamentos para isso. 

resenha fahrenheit 451

Em meio a esse universo, conhecemos Guy Montag, o nosso protagonista. Ele é um bombeiro que atravessa uma crise ideológica após conhecer Clarisse, uma garota de sua vizinhança que parece se recusar a essa lógica social imposta. A ousadia de Montag ao enfrentar essa estrutura social leva a uma grande aventura, repleta de discussões sociológicas, ficção científica e adrenalina.

"Os bons escritores quase sempre tocam a vida. Os medíocres apenas passam rapidamente a mão sobre ela. Os ruins a estupram e a deixam para as moscas. Entende agora por quê os livros são odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida."
- Faber, página 108 

Eu me apaixonei pela escrita do Bradbury. Ele narra a história de maneira simples, porém repleta de nuances belíssimas. Por se tratar de literatura, o livro traz diversas referências a obras clássicas, como Shakespeare, Matthew Arnold, e até mesmo a Bíblia. O livro é curto e tem poucos personagens, porém é de uma complexidade narrativa interessantíssima. 

autor fahrenheit 451

Uma coisa legal foi que com a obra eu pude conhecer mais sobre o autor. Não sabia, por exemplo, que esse senhorzinho da foto foi também responsável pelo roteiro de grandes obras do cinema, como Moby Dick, e foi bastante premiado por suas produções. Entretanto, não concordo com todas as suas opiniões. Senti alguns problemas na obra, e discordei bastante do posfácio escrito por ele, onde o mesmo afirma, em suma, que não se deve permitir que as minorias interfiram na estética das obras (sejam elas literárias, cinematográficas ou teatrais). Essa afirmação feita por ele me fez rever alguns dos pontos que ele retratou na história, o que me deixou um pouco frustrada. Mas este livro continua sendo uma obra e tanto para mim, principalmente quando considero que foi escrito em 1953 e ainda assim tanto fala sobre o nosso presente - acredito que esse é o poder das distopias. Fahrenheit 451 entrou para a minha lista de favoritos. 

resenha livro fahrenheit

Adorei essa edição, publicada pelo selo Biblioteca Azul da editora Globo. O livro tem folhas amareladas na medida certa, mas que podiam ser um pouco mais grossinhas, pois infelizmente o meu marca-texto transferiu para as outras folhas =/ E considerando que esta é uma obra que exige muitas anotações, esse foi um ponto negativo. 
Recomendo muito a leitura, principalmente para os amantes dos livros, que irão se identificar com muitas das afirmações do autor se sofrer um pouco com a possibilidade de ter que viver distantes dos livros, hehe Se interessou pela obra? Você pode adquirí-la clicando aqui.

ISBN: 978-85-250-5224-7
Nota: 4/5

Posts Relacionados

18 comentários.

  1. Curiosíssima para ler este livro, a história parece muito interessante,e é bem meu estilo de leitura também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você estava bem curiosa mesmo mainha, pois um passarinho me contou que depois de ver essa resenha você já leu esse livro rapidinho, hehe

      Excluir
  2. Eu já ouvi falar desse livro mas confesso que até agora não tinha dado muita importancia pra ele, tanto que nem sabia sobre o que era a história rs
    Mas agora lendo a sua resenha já fiquei super curiosa, amo distopia e não sei como não me interessei por esse livro antes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ama distopias, essa é uma leitura obrigatória!

      Excluir
  3. Eu amei essa resenha, me deixou muito curiosa pra ver o desenrolar da história e como vai terminar! Adoro livros que fogem do clichê! Parabéns pela dica! Jessica Lopes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse foge muito do clichê mesmo, Jéssica! Acho que você vai adorar.

      Excluir
  4. Eu já tinha ouvido falar desse livro antes por causa do filme com o Michael B. Jordan, não sei se o filme é fiel, só sei que após ler sua resenha eu fiquei 1000 vezes mais curiosa para ler o livro.

    https://blink-moments.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tô louca pra assistir a adaptação! Vou ver em breve <3 Mas se você curtiu a premissa da história, com certeza irá adorar o livro!

      Excluir
  5. Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, mas achei muito interessante a forma como fez a resenha dele e me deixou muito curiosa para ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha curtido a resenha, Giovanna!

      Excluir
  6. Eu já tinha visto esse livro, mas nunca dei bola.
    Pois agora, quero!
    Fiquei intrigada com a história, e tô indignada por ter sido escrito na década de 50 e parecer tão atual!
    Mais um livro que entra para minha wishlist hahaha.
    Fiquei curiosa, porque chama Fahrenheit 451? Estou muito curiosa para esse número? @SOCORRO

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha, então cuida de adquirir o teu, mulher! O nome se dá pelo fato de a temperatura ser medida em fahrenheit nos EUA, em vez de célsius, como é aqui. O número 451 é provavelmente o grau dessa temperatura que o fogo atinge quando os livros são queimados!

      Excluir
  7. Estou com esse livro na estante sempre adiando a leitura. Que bom que alertou sobre o spoiler no prefácio, que absurdo isso! Farei de tudo pra não deixar passar desse ano porque quero muito conferir como ficou a adaptação para série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não deixe esse livro ficar mais tempo te esperando na estante, Mandy! Pega logo ele pra ler, você vai adorar.

      Excluir
  8. Eu já ouvi falar muito do livro, mas somente vi o filme e dá pra ter uma vaga noção do que se trata a história. É um livro que quero muito ler principalmente por falar sobre livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura é muito válida, Amanda, e se você curtiu o filme provavelmente vai amar o livro!

      Excluir
  9. Oi, Malu! Esse livro está na minha lista há um tempo. Tem alguma coisa muito atraente sobre as distopias, mesmo que elas mostrem o pior dos mundos.

    Achei interessante você mencionar Jogos Vorazes porque dizem que o esquadrão 451, que a Katniss participa em A Esperaça, tem esse nome em homenagem ao livro :)

    bjs

    Gih

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Girlady, nunca tinha me ligado nessa possível referência de Jogos Vorazes a Fahrenheit 451! Adorei <3

      Excluir

Pinterest