Resenha: Kindred (Octavia E. Butler)

quarta-feira, abril 10, 2019


Acho que nunca fiquei tanto tempo olhando pra tela sem saber como começar uma resenha. Acredito que admitir isso é uma boa forma de começar e descrever o quanto Kindred foi uma leitura diferente. Pra começar, o livro foi a minha primeira leitura do CALMA - Clube Ativista Literário para Mulheres Ansiosas. O clube, situado aqui em Recife, escolheu Kindred como obra a ser lida no mês de março, e a Editora Morro Branco me disponibilizou essa cópia (muito obrigada!) 💖 E foi assim que li este clássico da ficção científica, escrito pela primeira mulher negra a ser reconhecida nesse meio.

LEIA TAMBÉM: Motivos para reler um livro (mais de uma vez!)

SINOPSE: Em seu vigésimo sexto aniversário, Dana e seu marido estão de mudança para um novo apartamento. Em meio a pilhas de livros e caixas abertas, ela começa a se sentir tonta e cai de joelhos, nauseada. Então, o mundo se despedaça. Dana repentinamente se encontra à beira de uma floresta, próxima a um rio. Uma criança está se afogando e ela corre para salvá-la. Mas, assim que arrasta o menino para fora da água, vê-se diante do cano de uma antiga espingarda. Em um piscar de olhos, ela está de volta a seu novo apartamento, completamente encharcada. É a experiência mais aterrorizante de sua vida... até acontecer de novo. E de novo. Quanto mais tempo passa no século XIX, numa Maryland pré-Guerra Civil – um lugar perigoso para uma mulher negra –, mais consciente Dana fica de que sua vida pode acabar antes mesmo de ter começado. 


Esse é um daqueles livros que já começam jogando a m*rda no ventilador. Vemos uma cena caótica antes de adentrar realmente na história da protagonista, que é a jovem Dana. Aos poucos vamos conhecendo melhor ela e seu marido, Kevin. Logo no primeiro dia deles no novo apartamento, algo estranho acontece do nada: Dana é transportada para uma floresta, e escuta uma criança gritar num rio, se afogando. Ela salva o garoto, mas em seguida é confrontada com um cano de espingarda na cabeça. Repentinamente ela volta ao apartamento, encharcada e confusa. Kevin, o seu marido, fica assustado, e Dana descobre que os vários minutos que passou naquele lugar foram apenas segundos para Kevin. 
Pouco tempo depois, novas loucuras como essa acontecem com Dana. Descobrimos que esse "teletransporte" acontece no espaço e no tempo, fazendo-a viajar para a Maryland do século XIX: uma cidade nada amigável para mulheres negras como Dana. Buscando entender os motivos do que está acontecendo com ela e se livrar de todo esse sofrimento, Dana vai embarcando cada vez mais fundo nessa nova realidade. Realidade em que ela se vê ligada a um menino que é parte do seu passado e peça chave do seu futuro.

Flagrada lendo Kindred no último encontro do CALMA 😅
Como mulher negra, me coloquei muito no lugar da Dana durante toda a leitura. É angustiante pensar sobre tudo o que a raça negra passou durante o período escravocrata, seja nos EUA ou mesmo aqui no Brasil, e é triste pensar o quanto esse livro do final da década de 70 ainda é atual. No encontro do CALMA, discutimos várias questões relevantes acerca da história, como a narrativa e as relações entre os personagens, falando de como a leitura fez nós, mulheres ansiosas, nos sentir.

Deixo abaixo alguns trechos do livro que foram marcantes para mim: 

"Já tinha visto pessoas serem surradas na televisão e nos filmes. Já tinha visto sangue falso nas costas delas e ouvido gritos bem ensaiados. Mas não havia ficado perto e sentido o cheiro do suor nem ouvido as súplicas e as orações das pessoas humilhadas diante de suas famílias e de si mesmas. Eu provavelmente estava menos preparada para a realidade do que a criança que chorava não muito longe de mim." p. 59

"Então, acabei me distraindo com um dos livros da Segunda Guerra Mundial de Kevin: um livro de memórias de sobreviventes de campos de concentração. Histórias de agressão, inanição, imundície, doença, tortura, todo tipo de humilhação. Como se os alemães tivessem tentando fazer em apenas alguns anos, o que os americanos praticaram por quase dois séculos." p. 188

"Não disse nada. Estava começando a entender que ele amava a mulher... para azar dela. Não se envergonhava de estuprar uma negra, mas se envergonhava de amar uma negra." p. 201


Eu gostei bastante da escrita da Octavia E. Butler, que construiu uma história muito bem elaborada e interessante. Algo que me incomodou um pouco foram os diálogos, que achei um pouco confusos e muitas vezes estranhos dentro das situações em que se apresentavam. Muitas vezes até mesmo não consegui aceitar a reação de alguns personagens a certas situações. Mas gostei de como o livro mexeu comigo, me fez refletir e deu muito assunto para discutirmos no encontro do clube.
Parabenizo aqui o CALMA por ter incentivado a leitura dessa obra tão incrível e também a Editora Morro Branco, por ter trazido a Octavia E. Butler para o Brasil. É incrível como, mesmo após tantos anos de sucesso internacional, a autora ainda não havia sido traduzida para cá. Vários outros livros da autora estão sendo publicados pela editora, e recomendo demais a leitura das obras dessa dama da ficção científica.

ISBN: 978-85-92795-19-1
Editora: Morro Branco

Posts Relacionados

19 comentários.

  1. Caramba, o livro parece bem legal, adoro ficção científica, principalmente os que te fazem pensar, e achei super interessante misturar ficção científica com a questão racial dos EUA.
    Ótima resenha, parabéns :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa junção foi muito interessante mesmo, e bem inovadora para a época! Ou seja, a Octavia arrasou muito <3

      Excluir
  2. Que bacana o livro, o livro fala muito, realmente é muito triste como os negros eram tratados naquela época da escravidão, gosto muito de ficção científica a obra da Octavia foi perfeita, bjs.

    ResponderExcluir
  3. ainda não li o livro amei sua opinião e resenha sobre ele, fiquei bem curiosa embora não seja um livro que eu leria antes de ver uma resenha igual a sua tão bem feita

    ResponderExcluir
  4. Confesso que não sou muito de ler livros, mas com uma indicação maaaraaa dessas, deu até ânimo pra ler, rsrs.

    ResponderExcluir
  5. Sou mais dos livros de romance, mas a história desse livro é bem interessante. Amei a resenha!
    Vou aproveitar e já olhar outras indicações por aqui. :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca li nada dessa autora, mas já vi que a escrita dela é maravilhosa. Ficou muito boa a sua resenha, nos convida a conhecer essa obra... por isso fiquei louca para comprar.

    ResponderExcluir
  7. Gente eu já ouvi falar muito desse livro e tô cada vez mais curiosa pra ler! Amei sua resenha!

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante essa história de teletransporte, fiquei interessada e querendo saber mais. Obrigada pela dica de leitura =)

    ResponderExcluir
  9. Muito bom conhecer o livro sob seu olhar e resenha! Um assunto que nos instiga a ler.

    ResponderExcluir
  10. Não tem nada melhor do que ver uma mulher negra representando muitas outras de uma forma tão bela como a escrita! Obrigade por compartilhar uma obra tão linda ❤❤❤❤ Precisamos de mais representatividade LGBT+, negra, indígena, feminina, para podermos abrir os olhos das pessoas para o verdadeiro mundo real ❤❤❤

    ResponderExcluir
  11. Que Massa! Amei a sinopse, quero um desse!

    ResponderExcluir
  12. Primeiro preciso dizer que sempre amo suas fotos, rs. E obviamente, também sempre amo os seus textos - suas resenhas são incríveis e a forma como você sempre dá um jeito de se colocar dentro do livro pra obter as melhores visualizações daquilo ali é foda! O livro parece ser incrível!

    ResponderExcluir
  13. Ah mano, não aguento resenha de livros por que sempre fico querendo. Curtir a história. Certeza, é um tipo de livro que me chama atenção e me fixa, daqueles que você não sossega enquanto não terminar ahaha. Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Nossa que coisa mais linda sua resenha <3
    Eu não posso ver uma resenha de algum livro que já quero comprar e esse é que eu quero comprar mesmo a historia me chamou bastante atenção e me bateu um pouco de angustia, mas tô louca pra ler.
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  15. Ei Malu! Que massa participar de um clube de leituras assim! Queria muito! (Tô até pensando que eu poderia começar um...). Quanto ao livro, eu não conhecia, nem a autora. Mas puder notar que de fato é uma leitura marcante. Fiquei curiosa para entender o que estava havendo com Dana e como ela resolveu isso. Livros que nos fazem refletir sobre preconceitos e lutas que passamos são muito bons. Parabéns pela resenha muito bem escrita! Um beijo
    Tamara
    tamaravilhosamente.com

    ResponderExcluir
  16. E marabilhosa a sensação quando o livro nos encontra né? Ja anotei aqui a indicação.
    Bjo

    ResponderExcluir
  17. Nao conhecia esse livro, mas ja adorei sua resenha

    ResponderExcluir
  18. Que interessante essa história
    parece algo meio sobrenatural
    bacana
    bjs

    ResponderExcluir

Pinterest